Home » Primeiro Socorros

Primeiro Socorros

PRINCÍPIOS GERAIS

 - Manter-se calmo;

- Fazer a segurança local e do próprio ferido;

- Se houver obstrução de vias aéreas, tentar desobstruir;

- Se não estiver respirando, iniciar respiração boca a boca;

- Se estiver sem pulso, iniciar massagem cardíaca;

- Estancar hemorragias;

- Iniciar medicação homeopática apropriada, de preferência na potência C6 e sempre as repetições em plus; nas urgências extremas qualquer potência será útil;

- Fazer as imobilizações que forem necessárias;

- Transporte correto: acomodar o paciente de forma que sua posição não agrave os ferimentos, seja cômoda e segura; em particular, tomar especial cuidado com a coluna vertebral nos casos de suspeita de contusão ou fratura dela. Deve ser apoiada e mantida na mesma posição em que o ferido foi encontrado, com apoio especial à região cervical (pescoço). O deslocamento do veículo deve ser cuidadoso, evitando-se as freadas bruscas, balanços ou trancos devidos às irregularidades da pista. A velocidade do veículo deve ser compatível com a segurança da vida e nunca a possibilitar novos acidentes, requer atenção, rapidez e segurança. O veículo deve chegar ao destino, com rapidez e com segurança. As sirenes e buzinas trazem maior estresse ao paciente e quase sempre são dispensáveis.

SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

Afogamento – Deite o afogado de bruços e rosto virado de lado. Segure-o com suas mãos pelo abdome e levante-o do chão algumas vezes. Verifique se há parada respiratória, havendo faça respiração artificial. Havendo parada cardíaca, também faça massagem cardíaca, alternando-a com a respiração boca a boca.

Os medicamentos que poderão ajudar, respeitando a lei dos semelhantes, são um dos indicados, na ordem de preferência: Camphora officinarum, Opium, Arsenicumalbum ou Arnica montana.

Choque Elétrico – Desligue ou isole a fonte de eletricidade. Cuidado: água, umidade, madeira ou isolantes se molhados, são condutores elétricos.

Verifique os batimentos cardíacos e a respiração. Caso haja necessidade, faça massagem cardíaca e respiração artificial (boca a boca).

Os medicamentos que poderão ajudar são um dos relacionados em ordem de preferência: Opium, Camphora officinarum, Hypericum perforatum, Arnica montana.

Colapso – É um estado de falência geral do organismo, que pode ser causado por razões psíquicas como susto, medo, tristeza, etc., ou por razões fisiológicas como diarréias ou vômitos seguidos e em grande quantidade, excesso de exercício físico, calor, frio, etc., ou por causas exclusivamente externas como afogamento ou choque elétrico.

A vítima deve ser colocada em condições de repouso, em lugar seguro e sombreado, roupas afrouxadas.

Havendo parada cardíaca ou respiratória, estas devem ser atendidas.

Escolher um dos medicamentos, em ordem de preferência: Arsenicum album, Camphora officinarum, Carbo vegetabilis, Nux vomica.

CORTES, FERIDAS E ESCORIAÇÕES - A lesão deve ser limpa e lavada com água limpa ou água mineral sem gás ou solução fisiológica ou água oxigenada a 10 vol. (por conter oxigênio mata as bactérias anaeróbicas, como é o caso do bacilo do tétano).

No caso de cortes, há necessidade de verificar se é preciso aproximar os bordos da ferida com ponto falso, ou sutura. As pequenas hemorragias locais cessam por essa aproximação dos bordos da ferida ou por um curativo compressivo. Não há necessidade de medicamentos locais e se possível a ferida deve permanecer sem curativo, “a céu aberto”.

O medicamento de eleição é Arnica montana, mas na sua falta podem ser usados um dos seguintes: Belladonna, Hypericum perforatum, Nux vomica, ou Pulsatilla nigricans.

Contusões – Não se deve usar localmente nenhum medicamento ou aplicações de frio ou calor ou massagens. Pode ser necessário repouso. O medicamento de eleição é Ruta graveolens mas pode-se usar na sua falta Arnica montana. Nas contusões de pontas de dedos, unhas, língua e coluna vertebral, o medicamento éHypericum perforatum.

Distensões e Entorses – Não se deve usar localmente nenhum medicamento ou aplicações de frio, calor ou massagens. Pode ser necessária a imobilização, que pode ser feita com faixa de crepe, gaze ou ataduras próprias, que não podem ser muito justas ou impedir a circulação. O medicamento de eleição é Rhus toxicondendrom, mas na sua falta podem ser usados Arnica montana, Ruta graveolens ou Hypericum perforatum.

Desmaios – A escolha do medicamento depende do fator desencadeante:

Por susto: Ignatia amara.

Histérico: Ignatia amara.

Por esgotamento físico: Arsenicum album, ou Carbo vegetabilis.

Em lugares fechados ou quentes ou em multidões: Pusatilla nigricans.

Por forte calor no verão: Ipecacuanha.

Por banho quente (sauna): Lachesis.

Edema de glote – Sufocação por constrição ou inchaço laríngeo ou da garganta.

São condições quase sempre devido às reações de sensibilidade (alérgicas) a alimentos ou medicamentos ou inalações de produtos químicos ou ação de venenos animais como o de abelha. A sensação é de fechamento da garganta e impossibilidade de engolir ou respirar devido a isso. Os medicamentos mais indicados são pela ordem de preferência: Apis, Lach, Nux v.

Hemorragias – O estancamento das hemorragias é uma das primeiras atitudes nos acidentes mais graves. Nesses acidentes há necessidade de reconhecimento da existência de hemorragias internas, que não são visíveis a uma primeira inspeção do acidentado. Os sinais médicos de existência de hemorragia interna são: pulso fino e rápido; palidez; dor no local correspondente à hemorragia; perda crescente da consciência; pressão arterial em queda constante.

No caso possível de hemorragia interna, o socorro médico deve ser imediato. As causas mais comuns de hemorragia interna por acidentes são: rompimento do baço, do fígado, dos rins e das grandes artérias superficiais e intracranianas. Nesses casos, enquanto se procura pelo socorro médico, deve-se deixar o acidentado em repouso, agasalhado, em ambiente silencioso e calmo, podendo-se molhar seus lábios com pano ou algodão umedecido em água. É possível estancar as hemorragias arteriais superficiais pela compressão da artéria no local do rompimento ou acima dele.

O torniquete não deve ser usado habitualmente e, se usado, deve ser afrouxado a cada 15 minutos, deixando o ferimento sangrar por alguns segundos, a cada vez em que o torniquete for afrouxado.

As hemorragias externas são facilmente visíveis e podem ser estancadas por compressão direta através da pressão por gaze ou atadura dobrada e presa por esparadrapo. Tanto na hemorragia interna quanto na externa, já tendo havido grande perda de sangue, o medicamento é China officinalis de início ou na sua falta Arnica montana.

Traumatismo Craniano – Contusão ou batida forte na cabeça.

O ferido deve permanecer em repouso e em local sombreado, até que se possa avaliar a gravidade do traumatismo. São sinais de gravidade de um traumatismo craniano, a perda da consciência, mesmo que momentânea, o sangramento pelos ouvidos, a dor de cabeça contralateral (do lado contrário ao da batida), tontura ou vertigem, vômitos em jato. No caso de traumatismos mais graves, o ferido deve permanecer em repouso de imediato e por até 30 dias, a critério médico, mas por um mínimo de 48horas. Nesse período não pode ver TV, não pode tomar banho, a dieta deve ser leve (evitando leite, ovos, carnes, chocolate e vegetais crus). O medicamento mais indicado é Arnica montana ou na sua falta Hypericum perforatum ou Belladonna. Contate o médico assim que possível.

Fraturas e luxações – Nesses casos, há sempre necessidade do encaminhamento a um ortopedista de confiança. No local de atendimento, a fratura deve receber imobilização provisória e o ferido transportado com técnicas especiais que atendam às necessidades de imobilização de possíveis fraturas e calçando ou apoiando esses locais com as mãos do atendente ou com almofadas, ou panos dobrados, para que não se movimentem durante esse transporte, especialmente no caso de suspeita de fraturas de ossos longos, como o fêmur e de coluna cervical. O medicamento é Arnica montana, ou Hypericum perforatum.

Ferimentos do Globo Ocular – Lave os olhos com água pura ou mineral sem gás, de morna para fria, com a cabeça abaixada sobre uma tina com a água e jogando-a nos olhos com os dedos. O medicamento de escolha é Symphytum officinale ou Arnica montana, ou Aconitum napellus.

Queimaduras – Não se deve passar no local qualquer medicação ou pomada. O local deve ser lavado com uma solução de água morna, quase fria, com álcool e o medicamento a ser usado por via oral, assim preparada: 1 litro de água pura ou mineral sem gás, amornada à qual se adiciona 1 colher das de sopa de álcool e alguns glóbulos ou gotas do medicamento. O ferimento deve permanecer descoberto. O medicamento mais indicado é o Arsenicum album, ou na sua falta um dos seguintes:Apis mellificaBelladonna, Cantharis. O tratamento é o mesmo para as queimaduras de todos os tipos e de qualquer origem.

Picadas de Insetos ou de Outros Animais Peçonhentos – No local não se coloca qualquer medicamento e não se lanceta. No caso de abelhas, deve-se retirar o ferrão empurrando-se do fundo para a borda do ferimento com a unha. Dá-se Apis mellifica ou Lachesis, ou Nux vomica. A medicação é a mesma para escorpiões, abelhas, marimbondos, cobras, lacraias etc. Os casos mais graves devem ser medicados a intervalos bem curtos, cada 1 ou 2 minutos e encaminhados a serviço médico especializado. No caso de picada de cobras venenosas, é necessário o uso do soro antiofídico, pois a quantidade de veneno é muito grande para o organismo conseguir combater.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>